Senciência

4 de novembro de 2009

Sobre o plágio no paper da USP onde a reitora é co-autora

Filed under: Uncategorized — Osame Kinouchi @ 19:28

Rafael do RNAm escreveu hoje:

Plagio da reitora da USP. A culpa é de quem?

disse várias vezes aqui: cientistas não são santos, certo?

A notícia da Folha assusta pelo alvo. Não só uma cientista, mas a própria REITORA DA USP, Suely Vilela!

Resumindo a notícia: A pesquisadora e reitora, juntamente com mais 10 pesquisadores, publicaram um trabalho em 2008 baseado no trabalho de uma aluna de doutorado. Três das imagens utilizadas e dois parágrafos são idênticos a umtrabalho de 2003 de um grupo da UFRJ.

O grupo carioca deu o alarme e a USP, em nota da própria reitora, diz que vai apurar.

Compare as imagens você mesmo.

A reitora se defende dizendo que a parte dela (sim, um trabalho pode ser dividido em várias partes) está certa e não tem nada a ver com as imagens clonadas.

A tal aluna não foi encontrada.

Acredito na reitora. É muito difícil, em um trabalho com várias partes, todos os co-autores estarem a par de cada experimento. A culpa recairia mais em quem era responsável pelo experimento e seu orientador.(Importante aqui é não colocarem um aluno desaparecido do mundo científico como testa de ferro)

Claro que este é mais um caso da fragilidade da ciência, que na verdade não é diferente de qualquer relação humana: ela depende da confiança nos colegas.

Mas, feita a besteira, só se pode pedir desculpas ao grupo carioca e publicar uma retratação na revista onde foi publicada a fraude.

E não faça mais isso, cientista feio!

Este post sofreu update devido a novas informações.

Rafael, o caso é mais sério do que parece. Ser co-autor de um paper não equivale totalmente a ser um operário que monta um carro (de modo que se eu trabalhei no motor e o defeito foi nos freios, a culpa não é minha).

Explico: a responsabilidade dos autores dos papers é desigual. Os alunos tem pouca responsabilidade caso os orientadores ou autores seniores tirem conclusões indevidas ou mesmo façam fraude ou plágio. O contrário não é exatamente verdade. Pelo menos o orientador tem que estar atento a possíveis plágios cometidos pelos estudantes (usando, por exemplo, o Google para checar textos suspeitos). Se você é apenas um técnico em um paper de onze autores, tudo bem, talvez você nem precise ler a versão final. Mas se você é um dos autores principais (ou seja, um pesquisador acadêmico como a Reitora), então supõe-se que pelo menos você atuou como um “referee” do seu próprio paper.

Sabemos que mesmo assim, é difícil detectar uma fraude ou plágio intencional, feito por um estudante (que em geral são meio ingênuos e pensam que “vale tudo” para terminar o doutorado) ou por um colega que agiu de má fé.

Em um artigo, em geral se começa por selecionar que gráficos, figuras e fotos formarão o esqueleto do paper. É dificil de acreditar que neste processo de seleção de figuras se cometa um erro da magnitude do caso atual, como argumenta um dos autores. Pode até ser, mas seria uma série de coincidências e má sorte. Note que as figuras foram cortadas nas laterais, ou seja, teve photoshop para adaptar as figuras do paper original. Logo, não foi apenas uma inclusão acidental originária de uma confusão da estudante.

Analisando com mais calma o caso, também vou afirmar que acredito na reitora: ela não tem responsabilidade pela frauda porque na verdade ela também tem uma responsabilidade mínima pelo paper, sua contribuição foi mínima (isto é indicado pelo fato de que seu nome está em oitavo lugar na lista, ou seja, no lugar mais desprestigiado da lista de autores.

Acho que o orientador também talvez não seja responsável pelo plágio: deve ter um excesso de orientandos e, certamente, não dá para escrever e checar 21 papers (apenas em 2009!), de modo que é humanamente impossível ficar atento a um (suposto ou possível) deslize do estudante. É mais uma vítima do sistema científico brasileiro, onde a produção industrial de papers (“big science”) pode ajudar em uma classificação 1

Acho que Carolina também não tem muita responsabilidade no caso. É mais uma vítima do sistema de pós-graduação brasileira, onde orientadores superstars orientam mais estudantes do que deveriam ou humanamente poderiam fazer, e impõe um ritmo de trabalho industrial na fabricação de papers de modo que os controles de qualidade não podem ser devidamente aplicados.

Algumas perguntas para se investigar (estou sem tempo, talvez o Takata possa fazer este trabalho investigativo – ele devia trabalhar para o CSI!):

1. Quem é o primeiro autor do paper? [Carolina D. Sant’Ana, Lattes aqui – Takata informa que ele foi modificado pela autora ontem, que retirou o email de contato, mas o Lattes original eu obtive no cache do Google e enviei ao Takata.  Interessante, acho que alguém retirou a referência ao próprio paper de 2008, ele sumiu da lista (ver abaixo)].

2. Quem é o último autor do paper? Prof. Dr. Andreimar Martins Soares. Um curriculo impressionante, com 94 trabalhos, h = 21 e 1131 citações na Web of Science. Publicou 21 artigos apenas em 2009, ou seja, uma média de dois artigos por mês… Curiosidade:
2007 – Atual Conselhos, Comissões e Consultoria, Faculdade de Ciências Farmacêuticas de Ribeirão Preto, .
Cargo ou função
Membro Titular da Comissão de Ética em Pesquisa da FCFRP-USP, desde 2007.
3. Quem é o “corresponding author”? Prof. Dr. Andreimar Martins Soares.

4. E as outras figuras, vieram de onde? Também são plagiadas?

5. Essas figuras estão na tese de doutorado da aluna? Então teve plágio na tese também, ou a origem das figuras foi devidamente citada? [Marcelo Leite informa que a tese não está disponível no banco de teses da USP – foi retirada por quem?]
6. Tem mais texto plagiado (cut and paste + google translator) na tese da aluna?
7. Existem outros papers baseados nessa tese da aluna? Existe possibilidade de haver plágio também nesses outros papers? [A reitora é co-autora em seis dos treze papers de Caroline Sant´Ana ]

8. E quanto aos trechos de texto plagiados? Qual o tamanho destes textos?

9. Poderia a falta da referencia ao paper da UFRJ de 2003 ter sido acidental, um esquecimento ou confusão da estudante ou dos redatores do paper?

10. Quem afinal redigiu este paper? Quem elaborou a versão final?

11. Se a reitora não redigiu o paper, não fez experimentos e não analisou criticamente o conteúdo do paper, então qual foi exatamente seu papel? Por que ela é autora do paper? Houve contribuição real ou ela é uma autora honorária?

12. Onze autores para um paper deste tipo parece ser demais. Os outros estudantes do laboratório realmente contribuíram para este paper? Qual foi a contribuição de cada um?
13. A tal aluna foi contatada pelos repórteres do G1 e declarou que não quer falar mais nada por que quanto mais tenta explicar, mais complicações ela tem. Talvez ela pudesse ser entrevistada por algum blogueiro (biólogo como você de preferência), um estudante ou colega talvez.

14. E que tal uma entrevista de um blogueiro com a própria Suely Vilela, para ter uma versão de primeira mão sobre o caso? A nota oficial da USP é tão pequena que não contém bits de informação suficiente para se formar uma opinião.

15. O paper com plágio foi listado ou citado na tese de doutorado?

16. E quanto aos participantes da banca de doutorado? Quem são eles? Notaram alguma coisa irregular na tese?

17. Onde foram feitas as duas outras fotografias de microscopia eletrônica apresentadas no paper? Elas são originais?

18. Quem fez as fotos de microscopia eletrônica afinal? Carolina era a responsável?

Ou seja, Rafael, não basta falar “Não faça mais isso, cientista feio!”. Tem que ter uma sindicância da USP criada pra isso, retratação do paper na revista [isso já foi feito], esclarecimento total. E que este caso sirva para produzir uma reflexão profunda sobre como é feita a pesquisa tipo big science no Brasil e quem deve ser responsabilizado por casos como este no caso de grandes colaborações.

Em contraste, no caso da pesquisa artesanal, feita pela maior parte dos cientistas brasileiros, a responsabilidade de cada autor é muito mais nítida.

Eu nunca me manifestei contra a Suely Vilela, sempre achei que era ótimo ter uma mulher no comando da USP (feminismo ingênuo esse meu! talvez um pouco de corporativismo, porque ela é de Ribeirão Preto, mea culpa!).

Também fiquei quieto (ou quase) na questão dela autorizar a polícia com metralhadoras no Campus de São Paulo: embora eu achasse isso um absurdo, eu sei que não é fácil conviver com os radicais de partidinhos-igreja dentro da USP.

Mas essa história de sua produtividade científica aumentar 400% depois que ela assumiu a reitoria, como bem observa Marcelo Leite, sorry, é algo supra-humano!

Que tal os blogueiros investigarem a fundo esse caso? Uma revoada vampiresca a là Ruth de Aquino, a fim de mostrarmos que não somos nem corporativistas nem covardes?

Só tem que tomar um cuidado, como sempre: possíveis processos por “danos morais”!

Assim, afirmo agora com todas as letras: acho que, em princípio não houve dolo, foram todos vítimas do sistema (especialmente os colaboradores mais afastados, que não moram em Ribeirão Preto). Mesmo se for confirmado plágio intencional, isto é apenas algo feio (talvez o único crime seria uma violação de copyright), mas ninguém vai morrer por causa disso.

Bom, talvez Caroline, o elo mais fraco, tenha morrido academicamente por causa disso. Gostaria muito de saber o lado dela: me parece um caso de ingenuidade de uma estudante sujeita a muita pressão acadêmica.

Já os autores principais, em especial Andreimar Martins e a reitora, são pesquisadores experientes que nunca arriscariam sua reputação fazendo um uso indevido de texto ou fotos como neste caso, muito menos plágio intencional. Produção industrial de papers e orientandos, até pode ser. Plágio intencional, certamente que não!

Disclaimer: Não tenho interesses politicos neste caso, afinal eu não voto para reitor…

[Nathalia] [São Carlos]
Olá Marcelo, em relação a nota, claro que ela não esclarece muito, é apenas mais do mesmo. Mas vamos pensar um pouco aqui: são 10 os nomes envolvidos na publicação desse artigo, ou seja, a colaboração dessas pessoas pode estar pulverizada ao longo da publicação. Então, não vejo mesmo que a reitora tenha agido de má-fé e que tenha apenas entrado “de bico” nessa publicação. O que está acontecendo, esse barulho todo, é sim uma questão política. Quem fez a denúncia primou pela ética, claro, disso não tenho dúvidas, afinal, plágio é crime. Mas a “perseguição” da reitora também camufla outras questões, que sabemos nós, tem a ver com poder acadêmico.Do mesmo jeito que temos “jogos ocultos” no parlamento, também os temos na academia.

04/11/2009 20:18

RESPOSTA:
NATHALIA:
Sem dúvida. Quem divulga uma informação danosa para outrem em geral tem uma intenção oculta, mas o que interessa no caso é a validade da informação (ou do questionamento) e sua relevância pública. Você tem alguma dúvida de que as duas condições estão rpesentes? Abraços jornalísticos, Marcelo Leite

Lattes de ontem, antes das notícias da Folha e G1:

Artigos completos publicados em periódicos
1. de Vieira Santos, Mariana M. ; Sant Ana, Carolina D. ; Giglio, José R. ; da Silva, Reinaldo J. ; Sampaio, Suely V. ; Soares, Andreimar M. ; Fecchio, Denise . Antitumoural Effect of an l-Amino Acid Oxidase Isolated from Bothrops jararaca Snake Venom. Basic & Clinical Pharmacology & Toxicology, v. 102, p. 533-542, 2008.
2. SANTANA, C ; TICLI, F ; OLIVEIRA, L ; GIGLIO, J ; RECHIA, C ; FULY, A ; SELISTREDEARAUJO, H ; FRANCO, J ; STABELI, R ; SOARES, A . BjussuSP-I: A new thrombin-like enzyme isolated from Bothrops jararacussu snake venom?. Comparative Biochemistry and Physiology. A, Molecular & Integrative Physiology, v. 151, p. 443-454, 2008.
3. SANTANA, C ; BERNARDES, C ; IZIDORO, L ; MAZZI, M ; SOARES, S (Seria A?) ; FULY, A ; ZINGALI, R ; MAGRO, A ; BRAZ, A ; FONTES, M . Molecular characterization of BjussuSP-I, a new thrombin-like enzyme with procoagulant and kallikrein-like activity isolated from Bothrops jararacussu snake venom?. Biochimie (Paris), v. 90, p. 500-507, 2008.
4. SANTANA, C ; MENALDO, D ; COSTA, T ; GODOY, H ; MULLER, V ; AQUINO, V ; ALBUQUERQUE, S ; SAMPAIO, S ; MONTEIRO, M ; STABELI, R . Antiviral and antiparasite properties of an l-amino acid oxidase from the Snake Bothrops jararaca: Cloning and identification of a complete cDNA sequence. Biochemical Pharmacology, v. 76, p. 279-288, 2008. [Engraçado, o nome de Andreimar Soares não aparece nesta referencia. Por que?]


5. Pérez, Aida Verónica ; Saravia, Patricia ; Rucavado, Alexandra ; Sant Ana, Carolina D. ; Soares, Andreimar M. ; Gutiérrez, José María ; SANT’ANA, Carolina Dalaqua . Local and systemic pathophysiological alterations induced by a serine proteinase from the venom of the snake Bothrops jararacussu. Toxicon, v. 49, p. 1063-1069, 2007.
6. SOARES, Andreimar Martins ; Oliveira, CZ ; SANT’ANA, Carolina Dalaqua ; Menaldo, DL ; SILVEIRA, Lucas B ; Sabrina S. Teixeira ; Rueda, A.Q. ; MARCUSSI, Silvana . Professor José Roberto Giglio and Toxinology in Brazil: 40 years in research.. Journal of Venomous Animals and Toxins Including Tropical Diseases (Online), v. Review, p. XXX, 2007.
7. Stábeli, Rodrigo G. ; Sant Ana, Carolina D. ; Ribeiro, Patrícia H. ; Costa, Tássia R. ; Ticli, Fábio K. ; Pires, Matheus G. ; Nomizo, Auro ; Albuquerque, Sérgio ; Malta-Neto, Natael R. ; MARINS, Mozart ; SANT’ANA, Carolina Dalaqua . Cytotoxic l-amino acid oxidase from Bothrops moojeni: Biochemical and functional characterization. International Journal of Biological Macromolecules, v. 41, p. 132-140, 2007.
8. MARCUSSI, Silvana ; SANT’ANA, Carolina Dalaqua ; Oliveira, CZ ; Rueda, A.Q. ; Menaldo, DL ; BELEBONI, R. O. ; STÁBELI, Rodrigo G ; GIGLIO, José Roberto ; Fontes, MRM ; SOARES, Andreimar Martins . Snake venom phospholipase A2 inhibitors: medicinal chemistry and therapeutic potential. Current Topics in Medicinal Chemistry, v. 7, p. 743-756, 2007.
9. STABELI, R ; AMUI, S ; SANTANA, C ; PIRES, M ; NOMIZO, A ; MONTEIRO, M ; ROMAO, P ; GUERRASA, R ; VIEIRA, C ; GIGLIO, J . Bothrops moojeni myotoxin-II, a Lys49-phospholipase A2 homologue: An example of function versatility of snake venom proteins?. Comparative Biochemistry and Physiology. C, Toxicology & Pharmacology, v. 142, p. 371-381, 2006.
10. Izidoro, Luiz Fernando M. ; Ribeiro, Marcela C. ; Souza, Guilherme R.L. ; Sant Ana, Carolina D. ; Hamaguchi, Amelia ; Homsi-Brandeburgo, Maria I. ; Goulart, Luiz R. ; Beleboni, Rene O. ; Nomizo, Auro ; Sampaio, Suely V. ; SANT’ANA, Carolina Dalaqua . Biochemical and functional characterization of an l-amino acid oxidase isolated from Bothrops pirajai snake venom. Bioorganic & Medicinal Chemistry, v. 14, p. 7034-7043, 2006.
11. OLIVEIRA, C ; MAIORANO, V ; MARCUSSI, S ; SANTANA, C ; JANUARIO, A ; LOURENCO, M ; SAMPAIO, S ; FRANCA, S ;PEREIRA, P ; SOARES, A . Anticoagulant and antifibrinogenolytic properties of the aqueous extract from Bauhinia forficata against snake venoms. Journal of Ethnopharmacology, v. 98, n. 1-2, p. 213-216, 2005.
12. DASILVA, J ; COPPEDE, J ; FERNANDES, V ; SANTANA, C ; TICLI, F ; MAZZI, M ; GIGLIO, J ; PEREIRA, P ; SOARES, A ; SAMPAIO, S . Antihemorrhagic, antinucleolytic and other antiophidian properties of the aqueous extract from. Journal of Ethnopharmacology, China, v. 100, p. 145-152, 2005.
13. Vieira, D. F. ; Watanabe, L. ; SANT’ANA, Carolina Dalaqua ; MARCUSSI, Silvana ; SAMPAIO, Suely Vilela ; SOARES, Andreimar Martins ; Arni, R. K. . Purification and Characterization of Jararassin-I, a thrombin-like enzyme from Bothrops jararaca snake venom. Acta. Biochimia et Biophysica Sinica., v. 36, n. 12, p. 798-802, 2004.

Lattes de hoje, depois das denúncias (apenas 12 artigos, o artigo problemático foi retirado do Lattes):

Artigos completos publicados em periódicos
1. de Vieira Santos, Mariana M. ; Sant Ana, Carolina D. ; Giglio, José R. ; da Silva, Reinaldo J. ; Sampaio, Suely V. ; Soares, Andreimar M. ; Fecchio, Denise . Antitumoural Effect of an l-Amino Acid Oxidase Isolated from Bothrops jararaca Snake Venom. Basic & Clinical Pharmacology & Toxicology, v. 102, p. 533-542, 2008.

2. SANTANA, C ; TICLI, F ; OLIVEIRA, L ; GIGLIO, J ; RECHIA, C ; FULY, A ; SELISTREDEARAUJO, H ; FRANCO, J ; STABELI, R ; SOARES, A . BjussuSP-I: A new thrombin-like enzyme isolated from Bothrops jararacussu snake venom?. Comparative Biochemistry and Physiology. A, Molecular & Integrative Physiology, v. 151, p. 443-454, 2008.

3. SANTANA, C ; BERNARDES, C ; IZIDORO, L ; MAZZI, M ; SOARES, S ; FULY, A ; ZINGALI, R ; MAGRO, A ; BRAZ, A ; FONTES, M . Molecular characterization of BjussuSP-I, a new thrombin-like enzyme with procoagulant and kallikrein-like activity isolated from Bothrops jararacussu snake venom?. Biochimie (Paris), v. 90, p. 500-507, 2008.

[O antigo artigo 4 foi retirado]

4. Pérez, Aida Verónica ; Saravia, Patricia ; Rucavado, Alexandra ; Sant Ana, Carolina D. ; Soares, Andreimar M. ; Gutiérrez, José María ; SANT’ANA, Carolina Dalaqua . Local and systemic pathophysiological alterations induced by a serine proteinase from the venom of the snake Bothrops jararacussu. Toxicon, v. 49, p. 1063-1069, 2007.

5. SOARES, Andreimar Martins ; Oliveira, CZ ; SANT’ANA, Carolina Dalaqua ; Menaldo, DL ; SILVEIRA, Lucas B ; Sabrina S. Teixeira ; Rueda, A.Q. ; MARCUSSI, Silvana . Professor José Roberto Giglio and Toxinology in Brazil: 40 years in research.. Journal of Venomous Animals and Toxins Including Tropical Diseases (Online), v. Review, p. XXX, 2007.
6. Stábeli, Rodrigo G. ; Sant Ana, Carolina D. ; Ribeiro, Patrícia H. ; Costa, Tássia R. ; Ticli, Fábio K. ; Pires, Matheus G. ; Nomizo, Auro ; Albuquerque, Sérgio ; Malta-Neto, Natael R. ; MARINS, Mozart ; SANT’ANA, Carolina Dalaqua . Cytotoxic l-amino acid oxidase from Bothrops moojeni: Biochemical and functional characterization. International Journal of Biological Macromolecules, v. 41, p. 132-140, 2007.

7. MARCUSSI, Silvana ; SANT’ANA, Carolina Dalaqua ; Oliveira, CZ ; Rueda, A.Q. ; Menaldo, DL ; BELEBONI, R. O. ; STÁBELI, Rodrigo G ; GIGLIO, José Roberto ; Fontes, MRM ; SOARES, Andreimar Martins . Snake venom phospholipase A2 inhibitors: medicinal chemistry and therapeutic potential. Current Topics in Medicinal Chemistry, v. 7, p. 743-756, 2007.
8. STABELI, R ; AMUI, S ; SANTANA, C ; PIRES, M ; NOMIZO, A ; MONTEIRO, M ; ROMAO, P ; GUERRASA, R ; VIEIRA, C ; GIGLIO, J . Bothrops moojeni myotoxin-II, a Lys49-phospholipase A2 homologue: An example of function versatility of snake venom proteins?. Comparative Biochemistry and Physiology. C, Toxicology & Pharmacology, v. 142, p. 371-381, 2006.

9. Izidoro, Luiz Fernando M. ; Ribeiro, Marcela C. ; Souza, Guilherme R.L. ; Sant Ana, Carolina D. ; Hamaguchi, Amelia ; Homsi-Brandeburgo, Maria I. ; Goulart, Luiz R. ; Beleboni, Rene O. ; Nomizo, Auro ; Sampaio, Suely V. ; SANT’ANA, Carolina Dalaqua . Biochemical and functional characterization of an l-amino acid oxidase isolated from Bothrops pirajai snake venom. Bioorganic & Medicinal Chemistry, v. 14, p. 7034-7043, 2006.

10. OLIVEIRA, C ; MAIORANO, V ; MARCUSSI, S ; SANTANA, C ; JANUARIO, A ; LOURENCO, M ; SAMPAIO, S ; FRANCA, S ;PEREIRA, P ; SOARES, A . Anticoagulant and antifibrinogenolytic properties of the aqueous extract from Bauhinia forficata against snake venoms. Journal of Ethnopharmacology, v. 98, n. 1-2, p. 213-216, 2005.

11. DASILVA, J ; COPPEDE, J ; FERNANDES, V ; SANTANA, C ; TICLI, F ; MAZZI, M ; GIGLIO, J ; PEREIRA, P ; SOARES, A ; SAMPAIO, S . Antihemorrhagic, antinucleolytic and other antiophidian properties of the aqueous extract from. Journal of Ethnopharmacology, China, v. 100, p. 145-152, 2005.

12. Vieira, D. F. ; Watanabe, L. ; SANT’ANA, Carolina Dalaqua ; MARCUSSI, Silvana ; SAMPAIO, Suely Vilela ; SOARES, Andreimar Martins ; Arni, R. K. . Purification and Characterization of Jararassin-I, a thrombin-like enzyme from Bothrops jararaca snake venom. Acta. Biochimia et Biophysica Sinica., v. 36, n. 12, p. 798-802, 2004.

Antiviral and antiparasite properties of an l-amino acid oxidase from the Snake Bothrops jararaca: Cloning and identification of a complete cDNA sequence

Carolina D. Sant’Anaa, Danilo L. Menaldoa, Tássia R. Costaa, Harryson Godoya, Vanessa D.M. Mullera, Victor H. Aquinoa, Sérgio Albuquerquea, Suely V. Sampaioa, Marta C. Monteirob, Rodrigo G. Stábelic and Andreimar M. Soaresa, ,

aDepartamento de Análises Clínicas, Toxicológicas e Bromatológicas, Faculdade de Ciências Farmacêuticas de Ribeirão Preto, Universidade de São Paulo, FCFRP-USP, Ribeirão Preto-SP, Brazil

bUniversidade Estadual do Centro-Oeste/UNICENTRO, Guarapuava-PR, Brazil

cInstituto de Pesquisa em Patologias Tropicais, IPEPATRO, Universidade de Rondônia, UNIR, Rondônia-AC, Brazil

Received 9 April 2008; accepted 1 May 2008. Available online 7 May 2008.
Abstract

l-Amino acid oxidases (LAAOs, EC 1.4.3.2) are flavoenzymes that catalyze the stereospecific oxidative deamination of an l-amino acid substrate to the corresponding α-ketoacid with hydrogen peroxide and ammonia production. The present work describes the first report on the antiviral (Dengue virus) and antiprotozoal (trypanocidal and leishmanicide) activities of a Bothrops jararaca l-amino acid oxidase (BjarLAAO-I) and identify its cDNA sequence. Antiparasite effects were inhibited by catalase, suggesting that they are mediated by H2O2 production. Cells infected with DENV-3 virus previously treated with BjarLAAO-I, showed a decrease in viral titer (13–83-fold) when compared with cells infected with untreated viruses. Untreated and treated promastigotes (T. cruzi and L. amazonensis) were observed by transmission electron microscopy with different degrees of damage. Its complete cDNA sequence, with 1452 bp, encoded an open reading frame of 484 amino acid residues with a theoretical molecular weight and pI of 54,771.8 and 5.7, respectively. The cDNA-deduced amino acid sequence of BjarLAAO shows high identity to LAAOs from other snake venoms. Further investigations will be focused on the related molecular and functional correlation of these enzymes. Such a study should provide valuable information for the therapeutic development of new generations of microbicidal drugs.

Keywords: l-Amino acid oxidase; Snake venom; Bothrops jararaca; Parasiticide; Antiviral; cDNA sequence

Article Outline

1. Introduction
2. Materials and methods
2.1. Materials
2.2. Biochemical characterization
2.3. Antiviral activity
2.3.1. Cytotoxic study
2.3.2. Treatment of cells with DENV-3 and/or BjarLAAO-I + DENV-3
2.4. Cytotoxic effect of LAAO on Leishmania viability
2.5. Trypanocidal activity
2.6. Electron microscopy [Quem era o responsável or esta parte?]
2.7. cDNA sequence of the l-amino acid oxidase
2.8. Statistical analysis
3. Results and discussion
Acknowledgements
References

Anúncios

11 Comentários »

  1. Excelente post.. Muito bem colocado, o caso é sério e exige uma atitude firme. E serve para expor a “autoria honorária” (li essa no blog do Marcelo Leite), que é mais comum do que parece – em especial nas biológicas/biomédicas.

    Abraços,

    Comentário por Fernanda Poletto — 4 de novembro de 2009 @ 19:52 | Responder

  2. […] This post was mentioned on Twitter by Dulcidio Braz Jr, osamekinouchi and osamekinouchi, Fernanda Poletto. Fernanda Poletto said: RT @osamekinouchi #plagiusp http://bit.ly/4cXFdw Sobre o plágio na USP […]

    Pingback por Tweets that mention Sobre o plágio no paper da USP onde a reitora é co-autora « Senciência -- Topsy.com — 4 de novembro de 2009 @ 21:48 | Responder

  3. […] Sobre o plágio no paper da USP onde a reitora é co-autora – Senciência; […]

    Pingback por picaretagem científica II – o retorno « ciência na mídia — 9 de novembro de 2009 @ 19:22 | Responder

  4. Plágio na Universidade Federal de Rondônia. Veja matéria publicada no jornal Extra de Rondônia:

    http://www.extraderondonia.com.br/modules/smartsection/item.php?itemid=159

    Comentário por Pedro — 28 de novembro de 2009 @ 19:06 | Responder

  5. Pessoal, é preciso, também, ressaltar a pouca vergonha que pode estar por trás disso tudo, que é o “consórcio de autores” (“máfia autoral”). Gente que coloca o nominho no trabalho do colega, o colega que retribui colocando o nominho dessa gente, e todo mundo se dando bem, publicando “industrial” e desonestamente. Tudo pela vaidade, grana (bolsa de produtividade; ofendendo os que a merecem) e menos trabalho (se “somos cinco e todo mundo coloca o nome do colega, beleza! Produzimos um paper a cada cinco anos e temos uma publicaçãozinha todo ano”). Quantos alunos ou técnicos que dão contribuições importantes num trabalho e ficam de fora (afinal, não pertencem ao privilegiado mundo nobiliárquico da docência)? E quantos não “turbinam” o currículo de amigos para ajudá-los em concursos?…É, não é só o mundo “político” que fede, não!

    Comentário por sinezio da silva jr — 12 de fevereiro de 2010 @ 10:55 | Responder

  6. Prezados, podemos questionar muitas coisas erradas que acontecem na ciência, todas as grandes descobertas foram feitas por acidente; claro que um cientista não é Deus para não cometer erros. A ciência é absoluta, e sempre irá aparar as arestas de qualquer conhecimento gerado. Um pesquisador pode passar sua vida inteira pesquisando e não produzir grandes contribuições para humanidade, mas por pequena que seja sua colaboração, servirá para montar o grande quebra cabeça chamada Vida.
    Então, ficar influenciando a opinião publica para achar culpados é muito fácil. Porque todos nós temos culpa do sistema que aí está engolindo a esperança de toda humanidade. (Mundo capitalista selvagem) que influencia os rumos que a humanidade está tomando.
    obrigado pela oportunidade.

    Comentário por José Franciraldo de Lima — 16 de março de 2010 @ 21:48 | Responder

    • Fale por você. Se eis/foi verseiro em coisa como cola, etc, confesse seu caso.

      Comentário por Anonimo — 20 de fevereiro de 2011 @ 12:28 | Responder

  7. Saiu o resultado de tudo. Professor ¨demitido¨, pois duvido que perdure, pelo corporativimos reinannte, reitoria selepemente livre de tudo. Só a inocente dessa história que não tem que a defenda. Posto que, essa estava lá para fazer algumas coisa e aprender não fazer outras. E um porèm: o reitor é da área de direito, e devia começar punindo pelos casos de lá.

    Comentário por Anonimo — 20 de fevereiro de 2011 @ 12:26 | Responder

  8. VERGONHOSA CUMPLICIDADE.
    O Brasil é mesmo habitado por genios. É possível ser professor com três turmas ou mais por Semestre Letivo, às vezes até com disciplinas diferentes, e orientar 20 ou mais alunos em Monografias de conclusão de curso e ficar imune a algum tipo de plágio? E nos mestrados e doutorados, qual o número médio de orientandos simultaneamente admissível, para cada professor, onde essa orientação tenha verdadeiramente qualidade? Um, dois, três, quatro … dez? Qual é o ideal e justo? E a participação em contratos de projetos de assessorias externas devidamente remunerados, como agora permitidos, estão sendo monitorados e avaliados academica e profissionalmente? Há compadrio ou a escolha de seus integrantes são por méritos e capacitação profissional? A baixa remuneração básica e a desproporcionalidade na remuneração por titulação causam algum impacto negativo nesse processo de produção acadêmica? Será que é justa a remuneração dos que não chegam a essas titulações, já que dependem da liberação da instituição e de suas conveniências e “políticas” internas? E quanto aos mais de 5.000 docentes das IES Federais, sem titulação de mestrado e sem Dedicação Exclusiva, por falta de oportunidades e/ou circunstâncias, há tempo nas instituições e com idades já avançadas que remuneração estão obtendo? Será que são dignas, especialmente comparadas aos profissionais da área do judiciário e legislativo recéns admitidos, sem qualquer titulação? Como estão se comportando as lideranças sindicais diante desse negro quadro? Ou pra eles, pura e simplesmente o quadro é branco? Talvez sim! Mas nada justifica tamanha omissão e vergonhosa cumplicidade. Joacy Macedo, Professor Federal.

    Comentário por Joacy Macedo — 24 de julho de 2011 @ 21:21 | Responder

  9. […] no Brasil envolveram alto escalão da USP, um deles: Foi a demissão do docente Andreimar Soares, da Faculdade de Ciências […]

    Pingback por Psicólogo holandês assume fraudes científicas « Creation Science News — 11 de novembro de 2011 @ 23:13 | Responder

  10. […] 20 pages, 2 figures, new version submitted to RBEF. Subjects: History and Philosophy … Sobre o plágio no paper da USP onde a reitora é co-autora … […]

    Pingback por Comparando o Google, Bing, Xfire e Ask | Semciência — 2 de dezembro de 2011 @ 11:48 | Responder


RSS feed for comments on this post. TrackBack URI

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

Blog no WordPress.com.

%d blogueiros gostam disto: